Wednesday, October 12, 2005

Outubro


Em dias de chuva acontece por vezes dissolver-me. Dissolve-se-me a alma, bem entendido. Acontece naturalmente, como quando um gesto arrasta outro: como quem canta no banho, ou como quem adormece ao ler na cama. Quando chove, dissolvo-me no caminho, e na cadência dos meus passos existe algo de húmido e uterino, de interior e triste.

Caminho e invento monólogos entre nós. Caminho e piso poças de água. Caminho e declamo, dramatizo e morro, caminho e ensaio tudo outra vez. Através dos dias enceno pedaços de peças, fragmentos e actos. Através dos meses, vou vindimando as histórias, que armazeno em grandes cestos, e depois piso num lagar de mágoas.

Amanhã, vou brindar ao Verão que passou e ao que dele há-de voltar, esperando-os eternamente doces. Amanhã, pode bem chover, que eu sei afogar-me docemente sem nunca desaparecer.

5 comments:

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
mané said...

Um post tão bonito merecia bem mais do que um spam como comentário.. Mas foi nisso que me revi. no post e no spam q veio a seguir. Também há dias em que se me dissolve a alma ou a alma que me dissolve os dias. Também caminho à chuva e declamo, dramatizo.. e em voz alta, às vezes. E como uma mensagem spam inoportuna volta o desconstrutivismo sarcástico e penso: "epá.. o q me fazia mesmo falta era o euromilhões!!". Bem vinda de volta ao teu blog!

Anonymous said...

Chuva que cai outra estação que surge e nos desperta a melancolia e delimita os horizontes, provocando uma sensação de isolamento, convida-nos à introspecção e ao vaguear do pensamento. No fundo é um lavar da nossa alma.
A chuva serve de alimento às nossas esperanças no amanhã e um sorriso luminosos e doce floresce em nós e que nos ajuda a encontrar uma resposta ao que ansiamos saber nesta procura desenfreada que é inata no ser humano.

Anonymous said...

os dias de chuva são realmente algo de muito íntimo. contemplamos os outros e a natureza, reflectimo-nos nas possas pisadas dos pés de desconhecidos... e surge o ânimo da limpeza, da lavagem, da água. aua.
ainda bem que voltaste com a chuva, autocarro perdido nas curvas dos dias.
(confesso que das febras já estava farta...)
xu. joe.

Anonymous said...

Muito, muito bonito. Parabens.